É hora de estar agradecida!

tumblr_mfb3i7Ng2M1rsrg0ho1_500_large

Fazendo uma retrospectiva de toda a minha vida, de todos os anos que marcaram, acho que este foi o principal. Esse ano pode se orgulhar de ter sido, até agora, o mais especial de todos os que já vivi. Claro, cada um com seu nível de importância, mas sinto que, a cada ano que passa, a cada dia que passa, estou cada vez mais realizada como pessoa. Nesse ano conquistei muito. Dei passos que me levarão para algum lugar ainda mais distante do qual agora estou. Cresci como ser humano, aprendi o significado de ‘amor próprio’. Arrisquei mais, coisa que antes não me permitia fazer por medo do desconhecido. Conheci pessoas maravilhosas, fiz novas amizades, me apaixonei, me entreguei de corpo e alma para todas essas pessoas que se fizeram importantes para mim e mergulhei de cabeça em todos os momentos que se fizeram inesquecíveis. Chorei também, é claro! Sofri uma, duas, três vezes, ou até mais, sei lá! Acontece que não me lembro muito bem – e nem faço questão de lembrar – porque ficar remoendo feridas passadas machuca, agonia, e disso quero distância! Aproveitar apenas como lição. E querem saber? Não desgosto desses momentos desagradáveis, aliás, a vida não é feita só de momentos bons, até por quê, que graça teria se não tivéssemos momentos dificeis para nos lembrar quão prazerosos são os momentos sem turbulências? Me preocupei com situações e pessoas, e ainda, deixei pessoas preocupadas, mas isso foi bom, porque mesmo com essa indelicada experiência, pude enxergar em quem realmente posso confiar, quem realmente se importa. Esse ano… ah 2012! Digo-lhe que podes ficar tranquilo! Orgulho-me de você, e principalmente, de mim. De ser quem sou, pensar como penso, agir como ajo, e ainda, de ter chegado onde cheguei. Se tivesse a oportunidade de voltar atrás, de mudar qualquer que fosse um fato, jamais o faria. Você me proporcionou a oportunidade de ver o mundo de outro jeito, mudar conceitos meus, amadurecer. E é por isso que desejo apenas que 2013 venha, e definitivamente, me surpreenda ainda mais.. Que venham novas amizades, novas aventuras, novas fases, mudanças, e até mesmo, novos amores..
Anúncios

Quem não dá assistência, abre concorrência.

                  Você homem da atualidade, vem se surpreendendo diuturnamente com o “nível” intelectual, cultural e, principalmente, “liberal” de sua mulher, namorada e etc.
Às vezes sequer sabe como agir, e lá no fundinho tem aquele medo de ser traído – ou nos termos usuais: “corneado”. Saiba de uma coisa… esse risco é iminente, a probabilidade disso acontecer é muito grande, e só cabe a você, e a ninguém mais evitar que isso aconteça ou, então, assumir seu “chifre” em alto e bom som.
Você deve estar perguntando porque eu gastaria meu precioso tempo falando sobre isso. Entretanto, a aflição masculina diante da traição vem me chamando a atenção já há tempos.
Mas o que seria uma “mulher moderna”?
A princípio seria aquela que se ama acima de tudo, que não perde (e nem tem) tempo com/para futilidades, é aquela que trabalha porque acha que o trabalho engrandece, que é independente sentimentalmente dos outros, que é corajosa, companheira, confidente, amante…
É aquela que às vezes tem uma crise súbita de ciúmes mas que não tem vergonha nenhuma em admitir que está errada e correr pros seus braços…
É aquela que consegue ao mesmo tempo ser forte e meiga, desarrumada e linda…
Enfim, a mulher moderna é aquela que não tem medo de nada nem de ninguém, olha a vida de frente, fala o que pensa e o que sente, doa a quem doer…
Assim, após um processo “investigatório” junto a essas “mulheres modernas” pude constatar o pior:

VOCÊ SERÁ (OU É???) “corno”, a menos que:
– Nunca deixe uma “mulher moderna” insegura. Antigamente elas choravam. Hoje, elas simplesmente traem, sem dó nem piedade.
– Não ache que ela tem poderes “adivinhatórios”. Ela tem de saber – da sua boca – o quanto você gosta dela. Qualquer dúvida neste sentido poderá levar às conseqüências expostas acima.
– Não ache que é normal sair com os amigos (seja pra beber, pra jogar futebol…) mais do que duas vezes por semana, três vezes então é assinar atestado de “chifrudo”. As “mulheres modernas” dificilmente andam implicando com isso, entretanto elas são categoricamente “cheias de amor pra dar” e precisam da “presença masculina”. Se não for a sua meu amigo… bem…
– Quando disser que vai ligar, ligue, senão o risco dela ligar pra aquele ex bom de cama é grandessíssimo.
– Satisfaça-a sexualmente. Mas não finja satisfazê-la. As “mulheres modernas” têm um pique absurdo com relação ao sexo e, principalmente dos 20 aos 38 anos, elas pensam em – e querem – fazer sexo todos os dias (pasmem, mas é a pura verdade)…bom, nem precisa dizer que se não for com você…
– Lhe dê atenção. Mas principalmente faça com que ela perceba isso. Garanhões mau (ou bem) intencionados sempre existem, e estes quando querem são peritos em levar uma mulher às nuvens. Então, leve-a você, afinal, ela é sua ou não é????
Nem pense em provocar “ciuminhos” vãos. Como pude constatar, mulher insegura é uma máquina colocadora de chifres.
– Em hipótese alguma deixe-a desconfiar do fato de você estar saindo com outra. Essa mera suposição da parte delas dá ensejo ao um “chifre” tão estrondoso que quando você acordar, meu amigo, já existirá alguém MUITO MAIS “comedor” do que você…só que o prato principal, bem…dessa vez é a SUA mulher.
Sabe aquele bonitão que, você sabe, sairia com a sua mulher a qualquer hora. Bem… de repente a recíproca também pode ser verdadeira. Basta ela, só por um segundo, achar que você merece…Quando você reparar… já foi.
– Tente estar menos “cansado”. A “mulher moderna” também trabalhou o dia inteiro e, provavelmente, ainda tem fôlego para – como diziam os homens de antigamente – “dar uma”, para depois, virar pro lado e simplesmente dormir.
– Volte a fazer coisas do começo da relação. Se quando começaram a sair viviam se cruzando em “baladas”, “se pegando” em lugares inusitados, trocavam e-mails ou telefonemas picantes, a chance dela gostar disso é muito grande, e a de sentir falta disso então é imensa. A “mulher moderna” não pode sentir falta dessas coisas…senão…
Bem amigos, aplica-se, finalmente, o tão famoso jargão “quem não dá assistência, abre concorrência”.
Deste modo, se você está ao lado de uma mulher de quem realmente gosta e tem plena consciência de que, atualmente o mercado não está pra peixe (falemos de qualidade), pense bem antes de dar alguma dessas “mancadas”… proteja-a, ame-a, e, principalmente, faça-a saber disso.
Ela vai pensar milhões de vezes antes de dar bola pra aquele “bonitão” que vive enchendo-a de olhares… e vai continuar, sem dúvidas, olhando só pra você!

(Autor desconhecido)

Se eu mudar.

“Há quem diga que permanecer no mesmo lugar a vida inteira é bom. Mas não digo só fisicamente. Ouvir as mesmas músicas, acreditar nas mesmas palavras e seguir as mesmas teorias.

Usar as mesmas roupas, os mesmos gestos. Trabalhar no mesmo lugar, com os mesmos problemas de sempre. Que isso quer dizer que a pessoa tem pulso forte, opinião formada, certeza da vida. Mas dá uma olhada em volta. O mundo não é o mesmo. Desde ontem, ele já mudou tanto… Você não encontra a mesma concha na mesma praia, nunca. O mar a leva para outro lugar… Não encontra a mesma flor no mesmo jardim. O vento a transforma em pedaços de beleza. Não vive o mesmo dia duas vezes. Não encontra a mesma nuvem no céu todos os dias. Pode ser que encontre a mesma estrela em noites diferentes, até que um dia ela mude de lugar. Até a lua, que parece estática lá em cima, troca de roupa de vez em quando…

Então, não se assuste se eu mudar. Eu vou mudar. Aliás, vou mudar o tempo todo, nem que seja um pouquinho de cada vez, ou tudo de uma vez só. Quando vir, vou estar diferente sim, mas não quer dizer que não serei a mesma pessoa. Ainda serei eu, apenas diferente. E se mesmo assim, a mudança for drástica, dá uma olhada em volta. Parece difícil enxergar, mas o mundo mudou. Até você mudou. Então, me dê o direito de ser uma pessoa diferente a cada dia, mas pense que sou como a lua. Ela muda sim, mas nunca deixa sua essência. Cheia, crescente, minguante… Ela sempre brilha.”

(Autora: Maju; Fonte: Depois dos Quinze)