Ações que geram reações

     O que se passa na cabeça de um jovem ‘normal’? E de um jovem atormentado, cheio de problemas? Definitivamente nunca há e haverá realmente o que sabermos. Nunca haverá uma oportunidade para desvendarmos os ‘porquês’ de todas as questões. O que se sabe ao certo é que, não só jovens, mas como todas as pessoas inteligentes em geral, não usam drogas, e sim, a cabeça.

     Há quem diz que só os mais fracos fazem uso desses entorpecentes, que no caso seriam aqueles  atormentados, com problemas, mas e os ‘normais’, com um suposto ‘nível de instrução’ maior, não estaria sujeito ao mesmo? Sim, tanto é que grande parte dos usuários são pessoas de classe média alta, filhos de empresários, executivos, pessoas influentes.

     As Pessoas que entram neste caminho, buscam encontrar uma vida melhor, com soluções de problemas, e sensação de bem-estar. Pura ilusão. Na mente destes usuários tudo está bem, o prazer ao consumir essa droga é contagiante, o poder alucinógeno propicia a esta pessoa um desejo de querer mais, o que acaba levando os mesmos ao vício incontrolável.

     Há dois tipos de drogas: lícitas e ilícitas. As duas estão constantemente presentes em nosso dia-a-dia; porém, as drogas lícitas são tão comuns que quando nos deparamos com elas, estas já nos parecem normais, o que é o caso do cigarro e do álcool; as ilícitas são mau-vistas , e com razão: conseguem ainda serem piores que o álcool e o cigarro, trazendo ainda mais e mais rápido aos viciados nestes entorpecentes a sua ruína, o fim apressado de algo que poderia e deveria ser durável e aproveitada, que é a vida. Nesta, destacam-se conhecidas como a maconha, CRACK, cocaína, heroína, dentre vários outros que colaboram para o fim de muitos e de muitas.

     Portanto, apesar de todos já conhecerem as conseqüências, e serem alertados desde sempre, cabem a todos lutarem, ajudarem a espalharem uma mensagem de paz; de não às drogas e sim à vida, e fazer com que o tráfico seja extinto, não financiando-o e não colaborando para que este ainda reine.